Editorial: O pesquisador e a pesquisa em ciências criminais na contemporaneidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22197/rbdpp.v3i3.100

Palavras-chave:

editorial, pesquisa jurídica, pesquisador contemporâneo, ciências criminais.

Resumo

O presente editorial apresenta uma análise geral da realidade contemporânea do pesquisador e da pesquisa em ciências criminais no Brasil. Busca-se traçar o perfil do(a) pesquisador(a) como um importante componente da compreensão das escolhas de pautas de pesquisa em ciências criminais com enfoque para a superação da falsa pretensão de imparcialidade do sujeito-pesquisador. Nesse panorama, é feita uma análise da pesquisa jurídica no Brasil, destacando sua importância na compreensão mais técnica do Direito, mas também como fato de desenvolvimento social, cultural, político e econômico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Caíque Ribeiro Galícia, PUCRS e IBRASPP – Porto Alegre/RS; FCG e FACSUL – Campo Grande/MS

Doutorando e Mestre (2014) em Ciências Criminais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) com pesquisa na área de Cooperação Jurídica Internacional em matéria penal no MERCOSUL. Graduação em Direito (2011) pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB).

Referências

ALFONSO-GOLDFARB, Ana Maria. FERRAZ, Márcia H. M. Raízes históricas da difícil equação institucional da ciência no Brasil. São Paulo em Perspectiva, vol. 16, nº 3, 2002.

ALMEIDA, Frederico de; SOUZA, André L. D.; CAMARGO, Sarah B.. Direito e realidade: desafios para o ensino jurídico. In: GHIRARDI, José G. FEFERBAUM, Marina (org). Ensino do direito em debate: reflexões a partir do 1º Seminário Jurídico e Formação Docente. São Paulo: Direito GV, 2013.

ARAÚJO, Nádia de. Formação do jurista pesquisador: pressupostos e requisitos, técnicas de pesquisa e ensino na pós-graduação. Direito, Estado e Sociedade, n. 14, Rio de Janeiro, 1999.

BALBACHEVSKY, Elizabeth. A pós-graduação no Brasil: novos desafios para uma política bem-sucedida. In: BROCK, Colin. SCHWARTZMAN, Simon (org). Os desafios da educação no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2005.

BARATTA, Alessandro. Criminologia crítica e Crítica do Direito Penal. Introdução à sociologia do Direito Penal. Rio de Janeiro: Revan, 2014.

BEATO, Cláudio. Criminologia e Segurança Pública. A Pós-Graduação em Criminologia e Segurança Pública no Brasil 2011-2020. In: Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Plano Nacional de Pós-Graduação – PNPG 2011-2020, vol. 2. Brasília: CAPES, 2010.

BOURDIEU, Pierre. Poder simbólico. Lisboa: Edições 70, 2016.

CANOTILHO, José G. Prefácio. In: MARTINS, Rui Cunha. O ponto cego do Direito. The Brazilian Lessons. São Paulo: Atlas, 2013.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 2016.

DUCE, Mauricio. REGO, Cristián. Proceso Penal. Santiago: Editorial Jurídica de Chile, 2007.

FERRAZ JR., Tercio Sampaio. Introdução ao estudo do Direito. São Paulo: Atlas, 2008.

FILHO, Roberto F. VERONESE, Alexandre. A pesquisa em Direito: diagnóstico e perspectivas. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 1, n. 2, nov. 2004.

FINKEL, Don. Dar classe con la boca cerrada. Valência: Publicacions de la Universitat de Valência, 2000.

FREITAS, Vladimir Passos. Excesso de Faculdade de Direito implode o mercado de trabalho. Disponível em: <http://www.conjur.com.br/2015-set-06/segunda-leitura-excesso-faculdades-direito-implodem-mercado-trabalho>. Acesso em: 01 mai. 2017.

GIACOMOLLI, Nereu. Pensar, aprender e transmitir Direito Processual Penal. Boletim Informativo IBRASPP, Porto Alegre, n. 07, 2014

GUIMARÃES, Reinaldo. Pesquisa no Brasil: reforma tardia. São Paulo em Perspectiva, vol. 16, nº 4, 2002.

HAWKING, Stephen. Uma breve história do tempo. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2015.

HOLANDA, Sérgio B. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

LIPOVETSKY, Guiles. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Editora Barcarolla, 2004.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

PEREZ, José Fernando. Pesquisa: construção de novos paradigmas. São Paulo em Perspectiva, vol. 16, nº 4, 2002.

ROSEMBERG, Fúlvia; MADSEN, Nina. Educação formal, mulheres e gênero no Brasil contemporâneo. In: BARSTED, Leila L; PITANGUY, Jacqueline. O Progresso das Mulheres no Brasil 2003–2010. Brasília: ONU Mulheres, 2011.

SILVA, Marcos A. B. Políticas e práticas contemporâneas sobre relações raciais e a pós-graduação. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 13, n. 30, 2016.

SILVA, Talita C. BARDAGI, Marúcia Patta. O aluno de pós-graduação stricto sensu no Brasil: revisão da literatura dos últimos 20 anos. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 12, n. 29, 2015.

SOUSA SANTOS, Boaventura. Um discurso sobre as ciências. São Paulo: Cortez, 2010.

SOUZA, Rayssa (et al). A pós-graduação e a síndrome de burnout: estudo com alunos de mestrado em administração. RPCA, Rio de Janeiro, v. 4, n.3, set/dez, 2010.

VASSAL, Mylène G. P. Aproximação conceitual: Gênero, Direito, Violência contra as mulheres e Direitos Humanos. In: Curso Capacitação em Gênero: acesso à justiça e violência contra as mulheres. Rio de Janeiro: EMERJ, 2013.

VENTURA, Deisy. Do direito ao método, do método ao direito. In: Daniel Torres de Cerqueira; Roberto Fragale Filho. (Org.). O Ensino Jurídico em Debate. Campinas: Millennium, 2007. p. 257-292.

VERCOSI, Aníbal et al. Os desafios da pesquisa no Brasil. Uma contribuição de docentes da Unicamp para o debate. Caderno Temático, Campinas, nº 12, ano I, 2002.

WARAT, Luís Alberto. Saber crítico e senso comum teórico dos juristas. Revista Sequência. Florianópolis, n. 3, volume 5, p. 48-57, 1982.

WERTHEIN, Jorge. CUNHA, Célio da. Fundamentos da Nova Educação. Brasília: UNESCO, 2000.

WOLKMER, Antonio C. História do Direito no Brasil. Rio de Janeiro: Forense, 2003.

ZAFFARONI, Eugenio R. La cuestión criminal. Buenos Aires: Planeta, 2012.

Downloads

Publicado

14.10.2017

Como Citar

Galícia, C. R. (2017). Editorial: O pesquisador e a pesquisa em ciências criminais na contemporaneidade. Revista Brasileira De Direito Processual Penal, 3(3), 769–787. https://doi.org/10.22197/rbdpp.v3i3.100

Edição

Seção

Editorial