Editorial dossiê “Oralidade e garantias processuais penais”: de qual oralidade podemos falar?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22197/rbdpp.v3i3.106

Palavras-chave:

Editorial, dossiê, oralidade, garantias processuais penais.

Resumo

O presente editorial desenvolve uma análise da compreensão da oralidade a partir das garantias fundamentais, vinculando-a como uma técnica que pode permitir a ampliação do contraditório, da ampla argumentação, da fundamentação da decisão e da imparcialidade do juiz. Buscou-se dialogar criticamente com a conformação da oralidade na teoria do processo brasileira e sua forte vinculação com a tradição inquisitorial. O debate com os autores do dossiê permite discutir outras possibilidades de compreensão da oralidade e as experiências nas reformas processuais chilena e argentina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Flaviane de Magalhães Barros, PUC-Minas e UFOP – Belo Horizonte e Ouro Preto/MG

Doutora e Mestre em Direito pela PUC Minas. Pós-doutora ( CAPES) junto a Università degli studi di Roma TRE. Pesquisadora Visitante da Università degli studi di Roma TRE e Università di Firenze (Centro di Studio per la Storia del  Pensiero Giuridico Moderno). Professora da PUC Minas. Professora da UFOP. Pesquisadora de Produtividade do CNPq. Advogada, Consultora jurídica.

Referências

ANDOLINA, Italo; VIGNERA, Giuseppe. I fondamenti constituzionali della giustizia civile: il modello constituzionale del processo civile italiano. 2. ed. Torino: Giappichelli, 1997.

BAPTISTA DA SILVA, Ovidio. Jurisdição e execução na tradição romano-canônica. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1996.

BARROS, Flaviane de Magalhães. O modelo constitucional de processo e o processo penal: a necessidade de uma interpretação das reformas a partir da Constituição. In: CATTONI DE OLIVEIRA, Marcelo Andrade; MACHADO, F.D.A. (Orgs.). Constituição e Processo: a contribuição do processo ao constitucionalismo democrático brasileiro. Belo Horizonte: Del Rey, 2009.

CALAMANDREI, Piero. Opere giuridiche. Vol. I. Problemi generali del diritto e del processo. Napoli: Morano, 1965.

CATTONI DE OLIVEIRA, Marcelo Andrade. Democracia sem espera e processo de constitucionalização – Uma crítica aos discursos oficiais sobre a chamada “transição política brasileira”. In: CATTONI DE OLIVEIRA, Marcelo Andrade; MACHADO, F.D.A. (Orgs.). Constituição e Processo: a contribuição do processo ao constitucionalismo democrático brasileiro. Belo Horizonte: Del Rey, 2009. p. 365- 399.

COUTINHO, Jacinto Nelson de Miranda. Sistema Acusatório – Cada parte no lugar constitucionalmente demarcado. Revista de informação legislativa, Brasília, v. 46, nº 183, p. 103-115, jul./set. 2009.

GARLATI, Loredana. L’inconscio inquisitório. L’eredità del Codice Rocco nella cultura processualpenalistica italiana. Milano: Giuffrè, 2010.

GONÇALVES, Aroldo Plínio. Técnica processual e teoria do processo. 2ª tiragem. Rio de Janeiro: Aide, 1992.

LOPES JR., Aury. Fundamentos do Processo Penal. São Paulo: Saraiva, 2017.

NEGRI, Daniele; PIFFERI, Michele. Diritti individuali e Processo Penale nell'Italia Republicana. Ferrara: Guiffrè, 2010.

SOUZA, Jessé. A invisibilidade da desigualdade brasileira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

TARUFFO, Michele. Sui confini - Scritti sulla giustizia civile. Bologna: Il Mulino, 2002.

Downloads

Publicado

14.10.2017

Como Citar

Barros, F. de M. (2017). Editorial dossiê “Oralidade e garantias processuais penais”: de qual oralidade podemos falar?. Revista Brasileira De Direito Processual Penal, 3(3), 809–823. https://doi.org/10.22197/rbdpp.v3i3.106

Edição

Seção

DOSSIÊ: Oralidade e garantias processuais penais